Skip to content
Home » Peixe-Vaca-Comum (Lactoria cornuta): Guia Completo

Peixe-Vaca-Comum (Lactoria cornuta): Guia Completo

  • by
Peixe-Vaca-Comum unsplash.com

O Peixe-Vaca é conhecido pelos icônicos “chifres” na cabeça e em baixo da cauda, que lhe conferem uma aparência única e quase cômica, destacando-se em qualquer aquário.

Ficha técnica

Nome científico: Lactoria cornut
Nomes Comuns: Peixe-Vaca, Peixe-Vaca-Comum, Longhorn Cowfish
Origem: Indo-pacífico
Dificuldade: Difícil
Dieta: Omnívoro
Longevidade: Entre 5 a 10 anos (Até 20 anos na natureza)
Tamanho máximo: 50 cm
Temperatura: 22 – 27 °C
dKH: 8-1
pH: 8,1-8,4
sg (gravidade específica): 1,020-1,025
Temperamento: Geralmente pacífico
Tamanho mínimo do aquário: 600 Litros

Origem

Vivem em recifes de coral tropicais e subtropicais, encontrados em uma ampla área que se estende desde a região da África Oriental até ao Japão, abrangendo o Indo-Pacífico. Alimentam-se de praticamente tudo, desde algas a pequenos peixes e crustáceos.

Em seu habitat natural, os peixes-vaca são exploradores ativos de corais e áreas rochosas. São considerados omnívoros, alimentando-se de uma grande variedade de alimentos., desde tunicados, esponjas, corais moles, pequenos crustáceos, vermes e algas.

Muitas pessoas advogam contra a manutenção do peixe-vaca-comum em aquários e existem preocupações legítimas associadas à sua adaptação em cativeiro. 

Comparado ao seu habitat natural, onde podem viver por um período considerável, a longevidade desses peixes pode diminuir significativamente em aquários. Então não é aconselhável manter estes peixes em aquários, principalmente aquaristas menos experientes.

Características

Conhecidos pelos longos chifres que sobressaem na cabeça e sob a nadadeira caudal, assim como a sua coloração amarelada com manchas brancas ou azuladas. Não existe dimorfismo sexual conhecido.

Acredita-se que os “chifres” podem, na verdade, ter evoluído como uma adaptação que faz com que o peixe seja difícil de engolir para a maioria dos predadores. Se danificados, os chifres tornam crescer em poucos meses.

As escamas hexagonais fundem-se para formar uma estrutura sólida, semelhante a uma armadura em forma de caixa, que cobre o corpo do peixe-vaca

O peixe-vaca-comum também possui uma forma de nadar bastante peculiar. Em vez de nadar de maneira tradicional, com movimentos ondulatórios típicos de outros peixes, utiliza as suas nadadeiras peitorais de forma rítmica, que proporcionam uma locomoção lenta que lembra o movimento de um helicóptero.

O peixe-vaca é venenoso?

O peixe-vaca-comum é tóxico. Quando se sente ameaçado ou extremamente estressado, libera uma substância chamada ostracitoxina através da pele, que pode incapacitar e matar predadores.

A boa notícia é que o veneno do peixe-vaca-comum aparentemente não é um problema para os seres humanos

Configuração do aquário

Como referido anteriormente, o aquário deve ter um mínimo de 600 litros, visto que pode crescer entre 25 cm a 50 cm e precisa de espaço para nadar livremente. Além disso, é essencial garantir uma filtragem adequada e uma circulação de água moderada/lenta para replicar as condições naturais do peixe-vaca.

Forneça muito substrato e rochas que sirvam como locais de esconderijo. A inclusão de rochas vivas pode proporcionar uma fonte natural de alimento,

Companheiros de aquário

É essencial escolher cuidadosamente os companheiros de aquário para o peixe-vaca, visando evitar qualquer ocorrência de liberação da substância tóxica. No entanto, essa situação é rara quando o peixe-vaca é mantido junto a companheiros de tanque adequados. Opte por peixes que sejam tranquilos, pacíficos e se movam lentamente. É crucial evitar a presença de outros peixes-vaca ou baiacus, estes são incompatíveis e podem desencadear comportamentos agressivos.

O Peixe-Palhaço (Ocellaris) e Gobies são escolhas comuns para companheiros de aquário do peixe-vaca, visto que tendem a ser pacíficos

São geralmente considerados seguros para recifes, já que se alimentam principalmente de algas e pequenos invertebrados. No entanto, existem relatos que podem mordiscar os pólipos de alguns corais.

Alimentação

A alimentação do peixe-vaca deve ser diversificada, incluindo ração própria, alimentos congelados ou liofilizados, essencial para garantir o equilíbrio nutricional adequado. Além disso, apreciam lula, choco, amêijoa, mexilhão, ostra, camarão, polvo, entre outros.

Para os peixes-vaca que se recusam a comer ração, pode optar por náuplios de Artêmia.

A alimentação deve ser oferecida em pequenas quantidades duas a três vezes ao dia, sendo importante não exceder a quantidade que os peixes comam em 1 a 2 minutos.

Na natureza, sopra jatos de água em direção ao substrato arenoso, deslocando-o e expondo invertebrados, pequenos crustáceos e outros organismos que se encontram escondidos na areia. Assim, conseguem capturar esses invertebrados para se alimentar.

Reprodução

Durante o cortejo, o peixe-vaca exibe um ritual de acasalamento em pares, geralmente observado ao entardecer, antes do pôr do sol. Nesse momento, ocorre a desova na água aberta, onde os ovos e as larvas se tornam pelágicos, flutuando livremente na coluna d’água.

 Até o momento, não há muitos registros de reprodução do peixe-vaca em cativeiro.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *